HOME
 
ALMÍSCAR
 
PRODUTOS
 
ENVIE SUA RECEITA
 
ATENDIMENTO
 
 
SAÚDE EM FOCO
 
Beleza e Saúde
Kefir: conheça esse iogurte muito saudável
Minha Vida
Acupuntura na gravidez: Pode ou não pode?
Lifestyle ao Minuto
Dietas restritivas contribuem para ganho de peso
 
 
Not?cia - Celular e TV podem provocar problema de vista? Celular e TV podem provocar problema de vista?

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que mais de 35 milhões de brasileiros (cerca de 20% da população do país) possuem problemas na visão. Incluindo o mundo todo, esse número chega a 217 milhões de pessoas, de acordo com uma pesquisa da revista médica Lancet, da Inglaterra, realizado em 2017.

Por conta disso, mais de 38 milhões de pessoas devem ficar cegas até o ano que vem e quase 115 milhões até 2050, afirma o levantamento internacional do periódico científico britânico.

Segundo a empresa alemã Zeiss, multinacional especializada em tecnologia óptica, problemas oftalmológicos podem surgir em qualquer fase da vida, aparecendo repentinamente - inclusive logo após o nascimento -, ou se desenvolvendo ao longo dos anos.

Ainda de acordo com a companhia, as causas mais comuns de prejuízo à visão são lesões, doenças crônicas e envelhecimento. Esses fatores podem causar, principalmente, miopia, hipermetropia e astigmatismo, entre outros problemas.

Mas há, também, outro fator cotidiano que preocupa os especialistas: as telas dos dispositivos eletrônicos. Cada vez mais presentes no nosso dia a dia, os smartphones, tablets, TVs de alta definição e, até mesmo, as lâmpadas de led emitem a chamada "luz azul", que podem prejudicar a visão ao longo do tempo.

Isso já foi comprovado por diversas pesquisas científicas, entre elas uma da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos. O relatório final do estudo apontou que a "luz azul" pode transformar moléculas em toxinas capazes de acelerar o processo de envelhecimento natural dos olhos, um fenômeno conhecido como degeneração macular.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse fenômeno é a terceira maior causa de cegueira, ficando atrás, apenas, da catarata e do glaucoma. A doença é um desgaste na área central da retina e pode provocar perda gradativa da visão a partir dos 50 anos de idade.

Sendo assim, Encontro fez três perguntas ao oftalmologista Ricardo Guimarães, diretor-presidente do Hospital de Olhos de Belo Horizonte, sobre como os dispositivos eletrônicos estão afetando a nossa visão.

Confira:

1) O excesso de telas está causando uma epidemia de problemas na visão? Como elas afetam nossa saúde ocular?

O uso cada vez mais frequente dos dispositivos eletrônicos pode ocasionar uma série de problemas de saúde. Hoje, vivemos cercados pela luz visível produzida por lâmpadas de LEDs, mas também por luzes invisíveis provenientes de radiações ionizantes e não ionizantes, ultravioleta, infravermelha, raio-x, radiofrequência, ondas de rádio, de celular e de wi-fi, por exemplo.

São estímulos que podem comprometer a nossa saúde ocular e visual, o que é conhecido como síndrome da visão no computador. Há, inclusive, evidências de que os danos desta síndrome provocam lesões definitivas depois de algum tempo.

Isso ocorre pelo fato de a iluminação artificial ser diferente da iluminação natural, à qual nosso sistema visual está adaptado. Desta forma, é natural que a exposição sistêmica à luz artificial gere desconforto e ocasione outros problemas para a nossa visão. Não conseguindo se adaptar, nossos olhos entram em estresse e isso provoca dores de cabeça, espasmos e dificuldades de focalização.

2) Quais são os problemas mais comuns causados pelos dispositivos eletrônicos e TVs de alta definição? Como identificar que algo está errado?

Os problemas mais comuns são a dificuldade de focalização, cansaço visual e fadiga, o que os oftalmologistas chamam de astenopia. Na sequência, vem a dor de cabeça, a fotofobia (hipersensibilidade á luz) e, nos casos mais graves, náuseas. No entanto, o principal dano é causado pela falta de sono ou sono irregular, o que provoca uma série de desajustes na nossa fisiologia.

Ou seja, o maior prejuízo ocorre longe do computador e do trabalho, e raramente as pessoas ligam uma coisa à outra. Esta dificuldade de sono está diretamente ligada a uma grande quantidade de luz azul presente nestes ambientes e que regula nosso ciclo circadiano, em outras palavras, nosso sono.

A luz azul é responsável pela regulação de nosso relógio biológico e a exposição em excesso suprime a produção de melatonina - o hormônio do sono -, o que pode produzir lesões tóxicas na retina, dores de cabeça e fadiga ocular.

3) Uma vez que é muito difícil evitar o contato com as telas, o que pode ser feito para amenizar o impacto causado por elas? O recurso de filtrar luz azul disponível em alguns smartphones realmente pode ajudar?

A prevenção dos distúrbios visuais segue uma lógica muito semelhante à dos dermatologistas para proteção da pele contra os raios de luz considerados nocivos. Eles recomendam o uso de um protetor solar, que é um filtro espectral que impede a passagem dos raios de luz nocivos.

Para a visão fazemos o mesmo, recomendamos o uso de um filtro espectral que filtra os raios indesejáveis, entre eles, a luz azul. Estes filtros são feitos sob medida para cada pessoa de acordo com o grau de exposição à luz azul, além de também filtrar outros comprimentos de onda identificados como nocivos para aquela pessoa.


Fonte: Revista Encontro
 
           
 
Rua São José, 175 - Vl São José
Várzea Paulista / SP

Rua Maria Maiolino de Souza, 101
Centro - Campo Limpo Paulista / SP

(11) 4596-3321

(11) 4038-6064

Horário de Funcionamento:
Seg a sex 8h30 - 18h | Sáb 8h30 - 12h
contato@almiscar.com.br
 
newsletter
Cadastre seu e-mail e receba nossas promoções
     
         
   
Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados
Produzido por FrameSet